domingo, 6 de fevereiro de 2011

"truth or consequence, say it aloud"

03h37
(...) agora vou deixar-me absorver por esta moca e desfrutar dos meus lençóis tão quentinhos e que são os únicos capazes de me aconchegar e embrulhar quando pensamentos espinhosos me atacam as entranhas. Maldito o dia em que alguém se lembrou de criar esta doença e, principalmente, maldito o dia em que outro alguém na sua pura ingenuidade (só pode!) decidiu espremer corações e inventar a merda do amor. Se estou enraivecida? Agora ainda mais pq o escrevi aqui!
Vai outra ganza? Sou shotgun só porque amanhã é o meu dia! E na próxima também porque gosto de ti e dói ter de me lembrar todos os dias que te tenho de tirar daqui.
Se agora me refugiasse no melhor dos meus sentidos e pusesse como fundo uma qualquer música bem diferente da do concerto que me fez abraçar o meu pai (a cena mais estranha de há uns tempos para cá), iria recordar uma carrada de anos que já lá vão! E iria recordar os últimos dois com um cheirinho ainda mais refrescante e possessivo. Quem diria que quando se está para fazer 18 se sente o peso da responsabilidade na juventude cheia de altos e baixos? E aquele bichinho da saudade, do passado e dum futuro tão chegado ao presente? O melhor é que adoro a sensação de que estou a ficar crescida e que tenho tudo para vencer este tormento que subiu até mim neste último ano.
Surpreende-me idade adulta, faz com que não me arrependa de uma jogada tão deliciosa que é esta e dá-me caminhos alucinantes.



2 comentários:

  1. dux! e sff empretas-me os teus lençois que nem os meus me consegue confortar, é a merda da vida que temos

    ResponderEliminar